Cirurgia do Pterígio com Autoenxerto-conjuntiva

INÍCIO / cirurgias / cornea / cirurgia-do-pterigio-com-autoenxerto-conjuntiva

O que é

O pterígio é uma proliferação fibrovascular da conjuntiva sobre a córnea.

Quando o pterígio não invade o eixo visual, as possibilidades cirúrgicas de êxito imediato são muito altas (superiores a 95%).

A cirurgia vai remover essa proliferação fibrovascular.

Perguntas Frequentes

Sim, pode de duas formas. Pelo astigmatismo induzido e quando atinge o eixo pupilar.

Sim, através do uso de óculos graduados e atualizados, uso de óculos de sol, não coçar os olhos e aplicar colírios lubrificantes e hidratantes.

O inicio do seu desenvolvimento é controlado com lágrimas artificiais sem conservantes e/ou vasoconstritores.
Quando cresce e se desenvolve o único tratamento passa pela cirurgia.

Existem várias técnicas cirúrgicas e em todas elas é removido o pterígio.

A diferença é no que é colocado no local onde foi removido o pterígio.

Na técnica mais simples, não se coloca nada no local da sua remoção, cicatrizando por segunda intenção.

Outra técnica é aplicar um tecido chamado membrana amniótica no local da excisão do tecido.

Alguns médicos usam de mitomicina C durante a cirurgia ou no pós-operatório em forma de colírio.

A técnica mais usada e atual, com menor taxa de recidiva é a técnica com autoenxerto de conjuntiva.

Sim, infelizmente pode voltar a seguir a cirurgia. Dai ser muito importante o pós-operatório do paciente com um controlo rigoroso da medicação tópica e proteção ocular.

Perguntas Não Frequentes

A pinguécula é uma degenerescência elástica da conjuntiva bulbar, elevada e de cor branco-amarelada, as vezes já com alguns vasos sanguíneos, localizada na mesma região do pterígio, mas sem invadir a córnea.
Pode dar sensação de corpo estranho, irritação ou secura ocular.
Tratamento tópico (lagrima e anti-inflamatório) e cirurgia (se indicado).

É uma aderência, unicamente no vértice duma prega da conjuntiva bulbar à córnea.
Ocorre numa zona de adelgaçamento periférico da córnea ou após uma úlcera periférica da córnea. Esta associado a um episódio de traumatismo ou inflamação.

© 2019 Clínica Oftalmológica Dr. Avelino Resende | Política de Privacidade

Desenvolvido por O Carapau Criativo, 2019